Buscar

Como melhorar seu posicionamento de marca em 7 passos

A competitividade no mercado é alta, seja no setor de serviços ou de bens de consumo. Todo dia nasce um novo negócio dentre aqueles que já existem. Por isso, como é possível se destacar diante da concorrência? Bom, uma das formas de diferenciação é o posicionamento de marca, que é justamente o tema que levantamos nesta publicação.



Afinal, o que é um posicionamento de marca? O posicionamento basicamente é como você, literalmente, posiciona-se no mercado. É o tom de voz da sua marca, como ela se relaciona com o público, quais valores e ideais guiam o negócio. Esse conjunto de estratégias pode acabar com o seu negócio se mal feita, mas se bem feita pode trazer maior identificação para com o público consumidor e com possíveis investidores.


Vale lembrar que as empresas alinhadas com a nova economia, novos padrões de produção e consumo, relações saudáveis, e com a sustentabilidade, seguem em vantagem! Diante disso, alguns dos 7 passos para melhorar o posicionamento da sua marca, descritos a seguir, estão ligados a esse contexto, além de outras boas práticas.


1- Transmita confiança no seu discurso e se aproxime dos seus clientes

Nunca ignore as dúvidas e questões levantadas pelo seu cliente. Sabe aquele comentário elogiando o seu produto/serviço, agradeça por ele! Interação e pessoalidade é tudo.


Possuir um Serviço de Atendimento ao Consumidor (o famoso SAC) também é uma oportunidade de trocas e críticas construtivas com o seu consumidor. Esse canal permite que o cliente dê feedbacks que provavelmente vão trazer insights para a melhoria do seu negócio.


2- Mostre que você se preocupa com seu consumidor

Crie soluções e ações para o seu público. Às vezes um cliente assíduo quer muito consumir sua marca, mas por alguma questão não pode arcar integralmente com o valor ou preços de frete, por exemplo. Ajude ele, dentro das possibilidades do seu negócio veja o que é possível ser feito. Parcele em mais algumas vezes, ofereça um cupom de desconto, dê uma outra opção de entrega, quem sabe?


Além disso, você pode criar materiais informativos e educativos sobre algum tema relevante, como um e-book ou até mesmo fazer uma live para discutir determinado assunto.


3- Conecte-se com os valores do futuro

Bom, esse tópico é auto explicativo, né? Sustentabilidade, nova economia, impactos sociais positivos e ODS (aprofundamos nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no nosso artigo “5 Passos Para se alinhar com as ODS”, confere no blog!). Mas já dando um spoiler, aqui estão os 17 Objetivos, que já dão insights só pelos nomes:


1- Erradicação da Pobreza

2- Fome Zero e Agricultura Sustentável

3- Saúde e Bem-Estar

4- Educação de Qualidade

5- Igualdade de Gênero

6- Água Potável e Saneamento

7- Energia Acessível e Limpa

8- Trabalho Decente e Crescimento Econômico

9- Indústria, Inovação e Infraestrutura

10- Redução das Desigualdades

11- Cidades e Comunidades Sustentáveis

12- Consumo e Produção Responsáveis

13- Ação Contra a Mudança Global do Clima

14- Vida na Água

15- Vida Terrestre

16- Paz, Justiça e Instituições Eficazes

17- Parcerias e Meios de Implementação

(fonte: Plataforma Agenda 2030)


4- Saiba como se comunicar

Você sabe onde se encontra a maioria do seu público? Ele está no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube? Pois é, saber o que falar e onde falar é extremamente importante! Não adianta criar um conteúdo incrível no Instagram se o seu consumidor não é tão presente nessa plataforma. Lembramos também que cada rede social exige uma comunicação própria e adaptada para o próprio veículo.


5- Seja transparente

Ser transparente significa mostrar para o seu público os impactos positivos e negativos gerados na cadeia de produção do seu negócio. É cada vez mais comum ter acesso a relatórios de impacto nos sites das marcas que vêm se posicionando como mais conscientes e alinhadas para um futuro sustentável.


Relatar os resultados e impactos gerados a partir de ações positivas dá credibilidade para as empresas. Organizações como a Patagonia (marca internacional de roupa) e a Zerezes (marca nacional de óculos) têm feito isso muito bem. Mas como elas fazem isso?


A Patagonia utiliza matéria prima de algodão 100% orgânico; 70% dos itens da são feitos de materiais reciclados; destina 1% da receita líquida para apoiar ONGs que desenvolvem projetos em defesa do meio ambiente; promove parcerias com comunidades locais, de forma que os trabalhadores possam se desenvolver com a empresa; criou o projeto “Sustainable Apparel Coalition”, que reúne companhias comprometidas com a preservação do planeta; e incentiva o consumo consciente: aceita roupas usadas de seus clientes como parte do pagamento por novos produtos; ensinam como consertar roupas em casa + seguro vitalício dos produtos.


E a Zerezes, um pouco mais modesta em suas ações, mas que já fazem uma grande diferença utiliza madeiras certificadas; realiza o upcycling; e 1% das suas vendas é revertida para as instituições brasileiras de atuação social - Redes da Maré e Instituto Four.


6- Seja coerente

Infelizmente, ainda vemos muitas empresas levantarem bandeiras apenas em datas de visibilidade, e no restante do ano as políticas e cultura organizacional das firmas não dialoga em nada com as questões levantadas. Para ilustrar, um bom exemplo é a data do dia Internacional da Mulher (o famoso 8 de março). Inúmeras marcas fazem postagens homenageando as mulheres, palestras falando sobre equidade de gênero, feminismo, machismo etc. Mas aí, quando olhadas de perto, são empresas que discriminam, não possuem lideranças femininas, não geram debates sobre o tema, não tratem com responsabilidade casos de assédio, entre outros. Ou seja, incoerência pura.


A partir do momento que uma marca se prontifica a defender um ideal, é preciso que seja de dentro para fora.


E por fim, mas não menos importante (pelo contrário, importantíssimo!):


7- Busque mais inclusão e diversidade

Você sabia que empresas que investem em I&D são mais inovadoras e geram melhores resultados? Ter um time diverso permite múltiplos pontos de vista e soluções. Dê oportunidades às minorias, crie cargos e funções destinadas para aqueles que, por questões estruturais e sociais, tiveram menos preparo e que por isso têm menos oportunidades. Garanta um espaço seguro, justo e inclusivo para com seus colaboradores!


Os dados confirmam: o relatório Diversity Matters, publicado pela consultoria McKinsey Company em 2015, revela que organizações que apostam na diversidade desempenham 25% melhor do que as demais. Os índices de rotatividade também diminuem, segundo a Catalyst (organização sem fins lucrativos que fomenta o empoderamento feminino no âmbito corporativo).


A mudança não ocorre em um passe de mágica, mas estar atento para os pontos apresentados nesse artigo já é um grande passo para a sua empresa começar a se destacar positivamente dentro do mercado.


Quer trocar mais alguma ideia? Fala com a gente! No FREELAS a gente te ajuda a pensar em estratégias e novas possibilidades alinhadas com as novas necessidades do mercado.







Carolina é publicitária, apaixonada pelo ecossistema de impacto socioambiental. Além de muchas coisitas mais, é assistente de operações do FREELAS e dá aquele help na área de comunicação!




12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo